Translate

domingo, 16 de setembro de 2012

A ergonomia e os princípios de conforto no Design de produtos para o vestuário


            A roupa está em contato direto com o corpo e esta deve ser flexível aos movimentos deste, diferentemente de outros produtos como poltrona, cama ou outros produtos que tem apenas alguns tipos de regulagem, mas não apresentam flexibilidade total. Sendo assim devem-se levar em consideração os sistemas tegumentar (pele), muscular e esquelética do usuário.
            Existem grandes variações corporais e a falta de padronização de medidas no mercado. Por exemplo, pessoas na terceira idade têm corpos diferentes que os adolescentes assim como estes têm corpos diferentes de adultos, no entanto as empresas quando fazem confecção pra ambos não distinguem essa diferença antropométrica entre publico consideram apenas a tabela de medida padrão de manequins sem considerar formas, curvaturas e movimentação.
            Antigamente no período da Belle Époque  as mulheres deformavam seus corpos para ter cintura menor, pois as formas orgânicas eram vistas como sensuais e era o padrão de beleza da época. Atualmente muitas mulheres, principalmente modelos, têm tipo físico pequeno e fazem implantes de silicone principalmente na região do busto e quadril, apelando para a sensualidade, como antigamente.  Assim sendo, algumas poucas empresas já fazem, é necessário que exista peças feitas em copa, por exemplo, sutiãs que são feitos com as laterais pequenas para que fechem no tamanho da circunferência do busto, e bojos grandes para que cubram o seio totalmente. Ou então Conjuntos com tamanho de cima menor que o de baixo.
            Percebe-se também que na criação de outros produtos de design como geladeira, carros, principalmente tecnológicos onde o valor a ser pago é maior e também existe maior ética entre os concorrentes. Existem várias metodologias de projeto onde são analisadas principalmente a função básica, o desempenho desta e quais outras podem ser inseridas ao produto para que este seja mais cômodo. Existem ferramentas de avaliação deste produto, perante a concorrência e um dos fatores analisados é ergonomia. Pois se percebe que o produto não é uma obra de arte, mas sim um bem que deve facilitar a vida do usuário em todos os sentidos. As empresas investem em pesquisas, os produtos são testados, existem clientes selecionados que usam os produtos em suas rotinas, levam seu feed back a empresa antes destes serem lançados no mercado.
Sem dúvidas este estudo é indispensável podendo ser um diferencial estratégico perante a concorrência, pois muitas compras não são efetivadas pelo fato da roupa não vestir adequadamente. Também em grandes cidades é muito difícil de encontrar costureiras e empresas que ajustam roupas sendo mais coerente para o consumidor encontrar roupas que vistam adequadamente na compra. Assim sendo também quando a roupa é confortável valoriza o corpo do usuário sem deformá-lo e nem causar nenhum tipo de incômodo gera o mais eficiente tipo de propaganda que existe o boca a boca.   


Referência de pesquisa: 
HEINRICH, Daiane Pletsh. A ergonomia e os princípios de conforto no Design de produtos para o vestuário: A cerca dos dados antropométricos aplicados a públicos específicos. Viçosa, MG. 1º encontro mineiro de estudos em Ergonomia. 2009.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Páginas